Gosto do conceito, aliás explorei a temática de um modo diferente no meu mini-conto “O Último Natal”. Infelizmente o potencial perdeu-se numa execução toscas. A narrativa não tem fluidez, os diálogos não soam naturais, os nódulos de info parecem colados por arremesso e a empatia com as personagens falha redondamente. Esta última foi particularmente desapontante tendo em conta o potencial emotivo que podia ter sido explorado.

Tenho pena porque já vi a autora fazer trabalhos muito mais elegantes. Este pareceu-me feito à presa e, sinceramente, por obrigação. Precisa de ser muito trabalhado.

Read also