"Todos os anos, pela primavera" é uma peça em dois, cinco, ou vinte actos, segundo a vontade dos espectadores. A ordem dos actos é também arbitrária. A seguir-se, porém, a ordem indicada pelo autor, deverão os espectadores escolher, dentre os finais possíveis, aquele que mais lhes convier.

1 Indivíduo que é preso todos os anos pela primavera e que daria anos de vida para ser preso, ainda que só uma vez, no inverno.